Cerveja High Tech

Hoje é sexta então combina perfeitamente com o meus Post:

Inovando o jeito de colocar cerveja em um copo

Ela se chama BottomsUP Beer e digamos que os copos enchem de baixo para cima. Isso mesmo, ela inova o método tradicional de colocar cerveja em um copo.

A máquina possui um engate rápido em sua base que quando fixado o copo com o plugue ela bombeia o líquido de uma maneira que não deixa muita espuma e também de um jeito mais rápido e produtivo, enchendo quatro copos a cada mais ou menos 6 segundos. Veja a BottomsUP em funcionamento:

Fonte

Anúncios

Fim da novela: Nokia agora vai rodar Windows! E pq não o Android?

Acabou de acabar em Londres a coletiva de Stephen Elop, CEO da Nokia, e Steve Ballmer, da Microsoft, que explicaram melhor o anúncio bombástico de hoje cedo. Elop reiterou dezenas de vezes que o Windows Phone é A prioridade da Nokia agora. E veio a primeira pergunta, inevitável: “Mas por que não o Android?” Elop respondeu:

O CEO mais franco dos últimos tempos não deu muitas voltas e disse que avaliou as 3 opções: o desenvolvimento em casa, de Meego e Symbian, estava “lento demais”, a ponto de ser “preocupante” (foi a palavra que ele usou). A opção do Android foi sim cogitada, houve conversas com o Google, mas se adotasse o robô a Nokia não teria “diferenciações o suficiente em relação a outras fabricantes”.

A “opção Microsoft” evoluiu por uma série de razões, e pode ter começado há algum tempo, com a decisão de contratar um ex-executivo da gigante de software. Elop, na casa há 4 meses, disse que o Windows Phone seria um “ecossistema” (o SO em si, a loja de aplicativos, e etc) que os finlandeses poderiam adotar mais rápido, e isso era fundamental. “Os engenheiros das duas empresas já estão trabalhando em conjunto”. Mesmo assim, Elop tentou pedir paciência aos investidores, dizendo que “2011 e 2012 serão anos de transição”.

Outro ponto importante foi que a Nokia não seria tratada como “mais uma”, e poderia colocar alguns de seus serviços no WP7 (Ovi Mapas, por exemplo), diferenciando-se dos demais fabricantes. . E, por último mas não menos importante, a Nokia reconheceu que precisava de um parceiro forte para conseguir conquistar o importantíssimo mercado norte-americano de smartphones – enquanto a Microsoft precisaria de alguém com alcance global grande o suficiente para entregar celulares com a sua marca para o resto do mundo. A Nokia deve trabalhar pesadamente com as operadoras que, segundo Elop, “estão ansiosas por uma terceira alternativa”.

A coletiva foi relativamente rápida, com Elop falando por 10 minutos e Ballmer outros 10. Além de “Windows Phone é nossa prioridade”, o que ficou claro é que a aliança será profunda, com o chefão da Microsoft enfatizando que será ótimo trabalhar com os “engenheiros da Nokia”, e que eles poderão dar pitacos em tudo, do Windows Phone 7 ao Kinect, passando pelo Internet Explorer 9. “Nossa prioridade número 1 é o sucesso do ecossistema Windows Phone, o qual nós participaremos. Ao mesmo tempo, nós temos planos muito claros para nos diferenciarmos dentro deste ecossistema”.

Não há data para o primeiro fruto da parceria, mas os executivos deixaram claro que obviamente os engenheiros da Nokia estão trabalhando no primeiro smartphone da empresa que terá um sistema bastante diferente dos outros (que gostamos bastante, por sinal). E Xbox Live, que é bem importante para mim.

Vejamos como o mundo – e vocês – reagem. Analisaremos com mais calma quando tivermos mais detalhes, mas na minha opinião esta parece ser a melhor alternativa que a Nokia tinha – especialmente se, como apontam rumores, ela tenha recebido algum dinheiro para a mudança. A opção pelo Windows Phone não é a que todos esperavam, mas a alternativa favorita da torcida (o Android) faria com que ela fosse apenas mais uma fabricante mesmo. Podendo embarcar – e ter voz – no desenvolvimento de um sistema bastante superior ao seu próprio, bom, com o apoio de uma gigante que vai investir tudo para que ele dê certo, é a única chance de a Nokia continuar inovando, sendo efetivamente diferente – só que, esperamos – para melhor.

Continuar lendo