Malware do Boleto

Texto do Anchises!

O portal Linha Defensiva e o Fabio Assolini, da Kaspersky, já abordaram esse tipo de golpe desde o ano passado (incluindo através de uma extensão maliciosa do Chrome ou sites que prometem gerar uma segunda via de boletos vencidos).

O jornalista Brian Krebs, em seu blog, cita o caso de uma central de controle de boleto descoberta por uma fonte dele que, indica que foram realizadas 383 transações com boletos fraudulentos entre Fevereiro e Junho deste ano, totalizando cerca de 250 mil dólares de fraude nesse período (veja abaixo o sceenshot da central de controle do malware de boleto, com a lista de transações realizadas pelo malware).

A fraude de boleto é um crime típico do cenário brasileiro, que não existe em nenhum lugar do mundo. Isso porque os boletos de pagamento são algo específicos do nosso sistema financeiro. em poucas palavras, na fraude de boleto o ciber criminoso paga boletos “seus” (em sua posse) utilizando as contas correntes de suas vítimas.

O ciber criminoso mantém uma base de boletos a serem pagos de forma fraudulenta, que podem ser boletos criados a partir de contas correntes de laranjas, ou podem ser boletos válidos (boletos enviados para consumidores finais que, na impossibilidade de pagar o total da conta, ele/ela recorre a criminosos que cobram apenas uma porcentagem do valor do boleto, e em troca o fraudador paga o valor total utilizando a conta corrente de uma vítima). A fraude com boleto válido faz com que o ciber criminoso receba o dinheiro de forma rápida e fácil, além de dificultar o rastreio da fraude: o banco consegue identificar o dono do boleto pago fraudulentamente, mas não consegue identificar o ciber criminoso.

Os ciber criminosos tem várias formas específicas para forçar o usuário final a pagar um boleto fraudulento:

  • Sites falsos de reemissão de boletos: são sites criados por ciber criminosos que prometem a revalidação de um boleto vencido. Ao fornecer os dados de seu boleto, a vítima recebe um novo código de boleto, mas que na verdade direciona o pagamento utilizando o código do boleto do fraudador;
  • Envio de boletos falsos por correio: Os criminosos podem interceptar a correspondência da vítima e substituir o boleto. Assim, a vítima recebe sua conta impressa em sua casa, mas na verdade esta conta já está com os dados de pagamento adulterados;
  • Malware de Boleto: Ele infecta o computador da vítima pode alterar os dados do boleto de três formas:
    • No pagamento de um boleto no Internet Banking: o trojan troca as informações do boleto (a linha digitável) no momento em que a vítima digita os dados no formulário de pagamento. O Browser do usuário já envia para o banco os dados do boleto fraudulento;
    • Na emissão online de boletos (ao pedir uma segunda via ou escolher fazer um pagamento com boleto): o trojan identifica uma página com dados de boleto e troca as informações pelos dados do boleto fraudulento. Eles alteram o valor da linha digitável e inserem espaços no código de barras para inutilizá-lo (assim a vítima é obrigada a digitar os dados do boleto, que já estão trocados);
    • Infectando as empresas que emitem boletos: ao infectar o compitador de uma empresa, o trojan pode fazer com que ela gere, erroneamente, boletos com os dados de pagamento já redirecionados para a conta do fraudador. O cliente já recebe em sua casa o boleto adulterado 😦

O Malware de Boleto comunica-se com o servidor central do ciber criminoso para buscar as informações do boleto que o fraudador quer pagar. Normalmente o malware mantém o valor original da conta, para que a vítima não perceba que pagou um boleto fraudulento e troca apenas o trecho da linha digitável que identifica o cedente, isto é, o destino do pagamento (afinal das contas, quem tem paciência para ficar conferindo a linha digitável dos boletos?). Mas, mesmo que a vítima quisesse comparar a linha digitável, o Malware altera a página de resposta do Internet Banking para que o usuário não perceba a alteração dos dados de pagamento.

O infográfico abaixo, criado pelo pessoal da Folha, mostra como acontece a fraude:

A fraude de boletos representa um dos métodos de roubo de fundos mais populares entre os ciber criminosos brasileiros atualmente, apesar da Febraban informar que os boletos representaram apenas 4,5% do volume de pagamentos e 3% do total de fraudes, em 2013.

Os ciber criminosos adotam mecanismos de fraude populares em um determinado país ou região em que atuam, de acordo com as características dos sistemas de meios de pagamento locais. Há vários métodos para transferir dinheiro a partir da conta corrente de uma vítima, além de uma simples transferência bancária (que pode ser facilmente rastreada). Em alguns países, é comum utilizar compra e venda de ações para transferir os fundos. Aqui no Brasil, os ciber criminosos se especializaram em explorar pagamentos de contas e de impostos, através dos boletos bancários, além de realizar compras online (em lojas de e-commerce) ou compra de créditos pré-pagos para celulares.

O que fazer para evitar a fraude de boleto? É muito difícil, mas em alguns casos não é impossível… as dicas abaixo podem ajudar um pouco:

  • Antes de mais nada, evite ser infectado por malwares!
  • E sempre utilize um computador confiável para acessar o Internet Banking;
  • Uma opção aparentemente segura é utilizar o seu smartphone para pagar boletos, uma vez que o malware só afeta PCs. Para isto, pode-se usar os aplicativos de mobile banking dos bancos;
  • Como a fraude envolve a troca dos dados do boleto, sempre verifique se você está pagando o boleto correto. Não tenha preguiça e compare o código apresentado;
  • Para saber se o seu computador está infectado pelo malware de boleto, um teste simples é digitar a linha de um boleto na tela de busca do Google; algumas versões do malware, que atuam no browser, já trocam a linha mesmo nesta tela, e aí você verá que o autocompletar vai mostrar um valor diferente do que você digitou!
  • Como os criminosos alteram os dados do boleto para enganar a vítima, para conferir um boleto que você recebeu via correio ou que gerou online, a melhor forma é conferir o código inicial do boleto que está sendo pago:
    • os 4 primeiros dígitos identificam o banco; fique de olho se corresponde ao banco que normalmente emite aquela conta que você está acostumado a pagar;
    • a primeira metade do código do boleto identifica o banco e o cedente, ou seja, é um código que identifica a empresa que emitiu aquela conta (que é um cliente daquele banco). Normalmente essa parte do código tem que ser idêntica as contas semelhantes que você pagou no passado. Confira isso ! (ex: se você paga seu aluguel via boleto, o código inicial identifica o banco e sua imobiliária, que todo mês é o mesmo).
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s