Top tecnologias estratégicas para 2021 segundo o Gartner

O Gartner lança anulamente um relatório com as principais tendências de tecnologia estratégica, e o report deste ano destacam as tendências que irão gerar oportunidades e interrupções significativas nos próximos cinco a 10 anos. Selecionadas por seu potencial transformador, as tendências deste ano se enquadram em três temas: Centricidade nas pessoas, independência de localização e entrega resiliente. Os líderes de TI devem decidir que combinação dessas tendências gerará mais inovação e estratégia para sua empresa.

Centricidade nas pessoas: Apesar da pandemia ter mudado a forma como
muitas pessoas trabalham e interagem com organizações, as pessoas
ainda estão no centro de todos os negócios e precisam de
processos digitalizados para operar no ambiente de hoje.

Independência de localização: O COVID-19 mudou para onde
funcionários, clientes, fornecedores e organizações
estejam fisicamente. Independência de localização
requer uma mudança de tecnologia para suportar esta nova versão
de negócios.

Entrega resiliente: seja uma pandemia ou recessão,
a volatilidade existe no mundo.


CENTRICIDADE NAS PESSOAS

Internet of Behaviors (IoB): Aqui o Gartner descreve esse temos como a coleta de dados pessoais para serem processados e utilizados de volta para inflenciar no seu comportamento. Aqui entra uma questão social, ético e de priviacidade muito grande , mas que vem de forma crescente num mundo onde Big Data está acelerado.

Experiência total: Aqui é a junção da multiexperiência (MX), experiência do cliente (CX), experiência do funcionário (EX) e experiência do usuário (UX), e os vincula para criar uma melhor experiência geral. Muito na linha de cadê vez mais agregar vários dados e extrair informações com mais potencialidade

Melhorar a privacidade: Aqui o Gartner destaca 3 subtópicos: Criar um ambiente confiável, incluindo os terceiros, processamento e análise de forma descentralizada e por último a recuperação de informação de forma privada utilizando a transformação de dados e algoritmos antes do processamento ou análise da informação. Especilamente no Brasil, é o ano da LGPD e e esse tema de privacidade virá cadê vez mais forte.


INDEPENDÊNCIA DE LOCALIDADE

Cloud distribuida: Aqui o Gartner foca na questão da nuvem publica, que pode ajudar inclusive na questão de privacidade, já que seus dados podem estar armazenados em qualquer lugar do mundo de sua escolha, facilitando as leis de privacidade. Além disso ele destaca que a utilização das nuvens publicas ajudaram as empresas a amnterem suas operações com menor de depência de uma localidade física específica.

Operar de qualquer lugar: O modelo deve oferecer experiências únicas de valor agregado. Forner uma experiência digital contínua e escalável requer mudanças na infraestrutura de tecnologia, práticas de gestão,
políticas de segurança e governança e funcionários e modelos de engajamento do cliente.

Cybersecurity mesh: A malha de cibersegurança é uma arquitetura distribuída abordagem de segurança cibernética escalável, flexível e confiável ao controle. Aqui eu destacaria o poder de elasticidade/escalação de operação de segurança, mediante as lições aprendidas nos modelos impostos pela pandemia de 2020.


ENTREGA RESILIENTE

Combinação de negócios inteligentes: Muitos processos de negócios eram muito frágeis para rapidamente
se adaptar e eles simplesmente quebraram durante a pandemia.
Durante o processo de reconstrução, os líderes devem projetar uma arquitetura que:
• Permite um melhor acesso às informações
• Pode aumentar essas informações com novos insights
• É combinável, modular e pode mudar e responder mais rapidamente conforme as decisões são tomadas

Engenharia de IA: Os projetos de IA (Inteligência Artificial) muitas vezes falham devido a problemas de manutenção, escalabilidade e governança. No entanto, uma robusta engenharia de IA e estratégia irá facilitar o desempenho, escalabilidade, interpretabilidade e confiabilidade dos modelos de IA ao mesmo tempo em que oferece o valor total de Investimentos em IA.

Hyperautomação: é um processo no qual as empresas automatizam os processos de negócios e TI o quanto for possível, usando ferramentas como IA, aprendizado de máquina, software orientado a eventos, processo robótico, automação e outros tipos de ferramentas de automação. A hiperautomação é irreversível e
inevitável. Tudo que pode e deve ser automatizado será automatizado.



MINHAS CONSIDERAÇÕES

Os itens que eu gostaria de destacar como apostas para esse ano de 2021 é a qestão da privicaidade onde leis de proteção de dados cada vêz mais operantes e em contrapartida a aposta na Internet do comportameto (IoB) onde cada vez mais nossos dados pessoais serão “vendidos” para anlise de empresas e governos.

Com relação a estratégia dos gestores de TI para esse ano, eu aposto fortemente na questão da hiperautomatização, onde deve-se sim acelar e apostar mais fichas na automatização das mais diversas tarfas que sejam possíveis. Por fim com a pandêmia acho que ficou claro que o modelo de trabalho remoto ou semipresencial veio para ficar para a maioria das empresas e nesse ano de 2021 as empresas precisam melhorar suas tecnolgias para oferecer a melhor forma e experiência e trabalho assim como reduzir seus custos operacionais nesse tipo de modelo.

Quem quiser let o relatório completo do Gartner, clique abaixo para download.

Fonte: Gartner

Gartner: as 9 principais tendências de segurança e risco para 2020

A Gartner publicou recentemente um estudo sobre as 9 principais tendências para esse ano. Eles destacaram bastante a parte da pandemia, e comentarma sobre mudanças resultantes no mundo dos negócios que aceleraram a digitalização dos processos de negócios, a mobilidade dos terminais e a expansão da computação em nuvem na maioria das organizações.

Em contrapartida eles citam que como desafios as empresas que enfrentam a escassez de equipe de segurança técnica, a rápida migração para a computação em nuvem, os requisitos de conformidade regulatória e a evolução incessante das ameaças continuam sendo os principais desafios de segurança em andamento mais significativos.

Abaixo as 9 tendências citas pela Gartner:

Tendência Nº 1: Surgem amplos recursos de detecção e resposta para melhorar a precisão e a produtividade

Nesse ponto eles destacam o surgimento de soluções de detecção e resposta estendidas (XDR) que coletam e correlacionam automaticamente dados de vários produtos de segurança para melhorar a detecção de ameaças e fornecer um melhor recurso de resposta a incidentes.


Tendência 2: A automação do processo de segurança surge para eliminar tarefas repetitivas

Aqui ele faz um link com a falta de profissionais que citei no começo. A falta de profissionais de segurança qualificados e a disponibilidade de automação nas ferramentas de segurança impulsionaram o uso de mais automação de processos de segurança


Tendência Nº 3: A IA cria novas responsabilidades de segurança para proteger iniciativas de negócios digitais

A Inteligência Artificial, e especialmente o aprendizado de máquina (ML), continua a automatizar e aumentar a tomada de decisão humana em um amplo conjunto de casos de uso em segurança e negócios digitais. No entanto, essas tecnologias exigem conhecimentos de segurança

Tendência Nº 4: Os diretores de segurança (CSO) de nível empresarial emergem para reunir vários silos orientados à segurança

Aqui eles destacam a necessidade de se envolver mais áreas da empresa para montar esse ecosistema de segurança. O CSO pode agregar programas de segurança de TI, OT, segurança física, segurança da cadeia de suprimentos, segurança de gerenciamento de produtos e saúde, segurança e meio ambiente em um modelo centralizado de organização e governança.

Tendência no 5. A privacidade está se tornando uma disciplina própria

A privacidade está se tornando uma disciplina própria cada vez mais influente e definida, afetando quase todos os aspectos de uma organização. Como uma disciplina independente em rápido crescimento, a privacidade precisa ser mais integrada em toda a organização.

Tendência nº 6: Novas equipes de “confiança e segurança digital” se concentram em manter a integridade de todas as interações onde o consumidor encontra a marca

Os consumidores interagem com as marcas por meio de uma variedade crescente, das mídias sociais ao varejo. A segurança do consumidor nesse ponto de contato é um diferenciador de negócios. A segurança desses pontos de contato geralmente é gerenciada por grupos distintos e as empresas estão cada vez mais adotando equipes multifuncionais de para supervisionar todas as interações, garantindo um nível padrão de segurança em cada espaço em que os consumidores interagem com os negócios.

Tendência nº 7: A segurança da rede se transforma do modelos de dispositivos baseados em LAN para SASE

O Secure Access Service Edge (SASE) é uma estrutura de segurança que permite que usuários e dispositivos tenham acesso seguro à nuvem e seus aplicativos, dados e serviços, de qualquer lugar e a qualquer momento.

O SASE converte rede e segurança de rede em uma única solução em nuvem para atender às necessidades de transformação digital de negócios, computação de ponta e mobilidade da força de trabalho

Tendência nº 8: Uma abordagem de ciclo de vida completo para proteção dos requisitos dinâmicos de aplicativos nativos da nuvem

À medida que os aplicativos se tornam cada vez mais dinâmicos, as opções de segurança também precisam mudar. Nesse ponto a Gartner destaca a necessidade de combinar as tecnologias de Cloud Workload Protection Platforms (CWPP) e Cloud Security Posture Management (CSPM).

Com uma solução de CSPM, as organizações ampliam a visibilidade sobre os recursos que estão na nuvem e podem de forma ágil verificar se as configurações de seus ambientes estão de acordo com práticas e estruturas de mercado. Assim, podem atestar, por exemplo, que foram implementados todos os controles necessários para proteger determinado serviço ou identificar lacunas em relação às configurações recomendadas para cada recurso.

Tendência nº 9: A tecnologia de acesso à rede zero trust começa a substituir as VPNs

A pandemia do COVID destacou muitos dos problemas das VPNs tradicionais. O acesso emergente à rede de confiança zero (ZTNA) permite que as empresas controlem o acesso remoto a aplicativos específicos. Essa é uma opção mais segura, pois “oculta” aplicativos da Internet.

O Zero Trust é um modelo de segurança de rede, baseado em um rigoroso processo de verificação de identidade. A estrutura estabelece que somente usuários e dispositivos autenticados e autorizados podem acessar aplicações e dados. Ao mesmo tempo, ela protege essas aplicações e os usuários contra ameaças avançadas na Internet.

Fonte: Gartner