Os 10 principais golpes no WhatsApp, Uber e outros aplicativos em 2018

Texto da minha colega Leticia Freitas.

O WhatsApp foi um dos alvos preferidos dos criminosos para tentar capturar informações dos usuários por meio de golpes virtuais em 2018. Eles usavam falsas promoções de marcas famosas, como Burger King, O Boticário e Cacau Show, para ludibriar as pessoas a clicarem em links maliciosos e, assim, ficarem vulneráveis a roubo de dados privados. O plano era obter informações para roubar as vítimas e até, em alguns casos, aplicar fraudes em nome delas. De acordo com especialistas de empresas de segurança digital, milhões de pessoas foram afetadas nos últimos meses.
Além do mensageiro, uma falsa promoção prometia um cupom de desconto de R$ 300 do Uber Plus e, segundo a DFNDR Lab, pelo menos 85 mil pessoas foram atingidas. Outros esquemas montados pelos hackers também usavam outras plataformas de rede social como o Facebook e Instagram. Essa era uma forma de diversificar os ataques e atingirem mais usuários, principalmente, por meio de celulares Android e iPhone (iOS). Confira, a seguir, a lista com os principais golpes que envolvem o WhatsApp e outros serviços da web em 2018.
1. Falso cupom da Burger King
 
A Burger King foi a primeira grande marca a ter seu nome atribuído a uma falsa promoção nas redes sociais neste ano. No início de janeiro, um link com uma pesquisa de satisfação sobre o atendimento prometia descontos em compras no fast food caso o usuário respondesse às perguntas e compartilhasse com os amigos, um uso comum do método de engenharia social. O prêmio seria um cupom de R$ 50 em lanches. Ao clicar no endereço eletrônico, o número do usuário era inscrito em serviços pagos de SMS e era induzido a realizar o download de apps falsos que infectavam o celular.
2. Falso desconto no Uber
Uma falsa promoção espalhada em sites e redes sociais prometia um cupom de desconto de R$ 300 do Uber Plus, programa de fidelidade da Uber que não foi lançado no Brasil. Para ganhar o prêmio, o usuário teria que preencher um formulário com dados pessoais e bancários, que seriam roubados pelos criminosos. Segundo a DFNDR Lab, pelo menos 85 mil pessoas tiveram acesso ao link e se expuseram à infecção de softwares maliciosos capazes de acessar dados pessoais.
3. Falso processo seletivo da Cacau Show
 
Com o alto índice de desemprego, criminosos espalharam pelo WhatsApp textos e imagens referentes a um suposto processo seletivo da empresa de chocolates Cacau Show, para vagas como vendedor, auxiliar de limpeza e Jovem Aprendiz. Ao clicar no endereço, a vítima teria que informar os dados pessoais para poder participar da falsa seleção. Em apenas 24 horas, mais de um milhão de pessoas já tinham acessado a plataforma maliciosa e estavam em perigo de serem roubados a partir da coleta de informações pelos hackers.
4. Promoção de O Boticário copiada por criminosos
Cibercriminosos imitaram uma promoção verdadeira criada pela empresa de cosméticos O Boticário, na qual os usuários deveriam indicar amigos para ganhar loções hidratantes da linha Nativa SPA. Assim, eles produziram um link falso contendo as mesmas informações da oferta original para divulgar pelo WhatsApp. Ao clicar na farsa, o usuário liberava o smartphone para receber notificações que poderiam conter links maliciosos, com o perigo de ter seus dados roubados.
5. Golpe na Páscoa
 
No mês de março, período que antecedia a Páscoa, uma propaganda mentirosa oferecia vales-presentes de R$ 800 no WhatsApp. Para isso, os bandidos usavam imagens de coelhinhos e ovos de chocolate, tradicionais para esse período do ano. Apesar de não estar associada a nenhuma marca famosa, o golpe direcionava usuários à página maldosa chamada “Páscoa Premiada”.
6. Número clonado no WhatsApp
 
Um novo tipo de golpe chegou ao WhatsApp em dezembro, desta vez “clonando números” sem precisar quebrar a segurança do mensageiro. Criminosos compravam chips novos e ligavam para as operadoras para reativar o número daquele cartão, com a desculpa de terem o celular roubado ou perdido. Com a linha reativada, os bandidos tinham acesso a grupos e contatos do antigo usuário, e, a partir daí, entravam em contato com amigos e familiares fingindo ser a vítima para pedir o depósito de valores. As justificativas mais usadas eram a compra de eletrodomésticos ou a quitação dívidas.
7. Golpe de cinema
Cerca de 50 mil brasileiros foram impactados no WhatsApp com uma oferta de ingressos para o filme “Vingadores: Guerra Infinita”, da Marvel. De acordo com a PSafe, ao clicar no link, o usuário teria que preencher um formulário com perguntas fake, que sempre “premiavam” a vítima, independente das respostas. Essa era a artimanha usada pelos bandidos para capturar dados dos usuários da plataforma de mensagens.
8. Falsa consulta ao PIS
 
No mês de junho, uma mensagem mal intencionada circulou pelo WhatsApp e se aproveitava do pagamento do PIS-Pasep para prometer ao trabalhador uma forma fácil de visualizar o saldo do benefício. Cerca de 116 mil pessoas foram lesadas por conta dessa estratégia criminosa. A página exibia um texto com a assinatura da Caixa Econômica Federal e indicativos sobre a liberação dos valores. Assim como em outros golpes, o usuário teria que responder a uma série de perguntas para ter acesso ao conteúdo.
9. Recarga falsa
Uma falsa promoção oferecia R$ 70 em créditos para celular em troca de compartilhamentos da mensagem no WhatsApp. O link malicioso instalava aplicativos no smartphone das vítimas e, apesar de não serem perigosos, gerava faturamento para os criminosos a cada download. A recarga, obviamente, nunca era concedida. Pelo menos 26 mil usuários foram afetados pela estratégia dos hackers.
10. Falso Ray-Ban no Instagram
Um anúncio falso se espalhou no Instagram com a promessa de oferecer óculos da marca Ray-Ban com até 90% de desconto. Os posts eram publicados sem autorização nas contas dos usuários, que eram pegos de surpresa. A ação possivelmente foi fruto de pishing — roubo de dados, senhas muito fáceis de serem quebradas ou mesmo do uso de apps maliciosos com autorização para acessar login e senha da rede social.
Para ler a notícia completa, clique aqui.
Anúncios

Whatsapp agora permite duplo fator de autenticação

O WhatsApp introduziu um novo recurso de segurança que corrige uma brecha na popular plataforma de mensagens, que, se explorada, pode permitir que um invasor entre na conta da vítima apenas sabendo o número de telefone da vítima e algumas habilidades de hacking.
O ataque não explora qualquer vulnerabilidade no WhatsApp; Em vez disso, depende da maneira como o mecanismo de configuração da conta funciona.
O WhatsApp permite que os usuários se inscrevam no aplicativo usando seu número de telefone; portanto, se um invasor quiser seqüestrar sua conta do WhatsApp, eles precisarão de um OTP (one time password) para enviar para seu número de telefone.

O atacante pode pegar este OTP desviando o SMS contendo a senha para seu próprio computador ou telefone, usando um aplicativo mal-intencionado ou vulnerabilidade SS7  e, em seguida, faça o login na conta WhatsApp da vítima. O ataque também funciona se o telefone estiver bloqueado.
Em agosto, hackers patrocinados pelo governo iraniano teriam sequestrado dezenas de contas do Telegram pertencentes a ativistas e jornalistas, explorando uma brecha semelhante.
Tal ataque também poderia ser utilizado contra qualquer aplicação de mensagens, incluindo Whatsapp e Viber, cujo registo baseia-se no mecanismo de verificação baseado em SMS.

Portanto, para corrigir esse problema, o WhatsApp agora introduziu o recurso de senha de verificação em duas etapas (2AF) para sua versão beta para Android, o que ajudará a bloquear o mecanismo de configuração do WhatsApp.
Em outras palavras, para reconfigurar a conta do WhatsApp com a confirmação em duas etapas habilitada, é preciso exigir não apenas o OTP, mas também uma senha de 6 dígitos definida pelo usuário.

whatsapp-enable-two-factor

COMO HABILITAR:

Para habilitar, você precisa primeiramente ser um Beta tester do Whatsapp, para ser um beta tester vou dar uma explicação resumida: basta abrir o Google Play, ir no Whasttapp, rolar a página até me baixo, e vai ter um botão ACEITAR. Depois de ser beta tester, basta seguir os passos:

  1. Vá até WhatsApp Settings → Account → Two-step verification.
  2. Click enable, insira uma senha de 6 digitos e confirme.
  3. Na p´roxima tela, entre seu email ID (opcional) para habilitar a recuperação de chave por email. (Recomenda-se usar o e-mail como backup para que você não seja bloqueado da sua conta se você esquecer sua senha.)
  4. Clique em “Done, “e prontinho!.

Capturando conversas do WhatsApp

WhatsAppSniffer de DecibelioApps é uma ferramenta para aparelhos Android com rooteados busybox para capturar e ler conversas WhatsApp em uma rede sem fio. Isso inclui textos, fotos, vídeos e até mesmo coordenadas.

 

 

Criado para demonstrar a insegurança de comunicações WhatsApp, é só usar o tcpdump para capturar pacotes de filtragem de rede Wi-Fi como a fonte ou WhatsApp servidores de destino.

Embora todas as mensagens capturadas estão em texto simples, sem nada de decodificação e atender jurídico definido termos WhatsApp (3.C: “Enquanto nós não proibir o uso de sniffers como o Ethereal, tcpdump ou HttpWatch em geralmente, nós vamos todos os esforços para não permitir a engenharia reversa nosso sistema, nossos protocolos, ou explorar fora dos limites dos pedidos comuns feitas por clientes WhatsApp …. “) A APK já foi retirado do mercado é o Google Play.Aunque facilmente fazer o download da aplicação de qualquer espelho …

Para WPA/WPA2 arpspoof redes criptografadas opcionalmente usado e não há uma versão gratuita que permite gravar até três conversas.

Fonte:Hackplayers